Tubarão-baleia nos Açores. Tubarão-baleia nos Açores. Foto: Nuno Sá

Itens relacionados

quinta, 07 dezembro 2017 08:01

Fundo para a conservação dos Oceanos entrega 100 mil euros

Financiamento é feito pelo Oceanário de Lisboa e Fundação Oceano Azul… 

 

O Oceanário de Lisboa e a Fundação Oceano Azul atribuíram hoje 100 mil euros aos melhores projetos para a conservação das raias e tubarões. A 1.ª edição do “FUNDO para Conservação dos Oceanos” sob o tema “Raias e tubarões, da escuridão para a luz da ciência”; premiou três projetos, selecionados entre 23 candidaturas.

 

Os projetos selecionados destacam-se pela excelência das propostas apresentadas no âmbito da conservação das raias e tubarões. Este grupo de peixes cartilagíneos apresenta crescimento lento, tardia maturidade sexual e baixo número de descendentes. A combinação destes fenómenos faz com que a sua captura, em geral como pesca acessória (bycatch), os coloque numa situação altamente delicada em termos de conservação, constituindo um dos grupos de peixes mais ameaçados à escala global.

 

Para João Falcato, CEO do Oceanário de Lisboa e administrador da Fundação Oceano Azul, “É urgente reunir esforços para a conservação do oceano. Através deste FUNDO, o Oceanário e a Fundação Oceano Azul reforçam a sua missão ao promover o conhecimento sobre estes animais, possibilitando uma conservação mais eficaz e efetiva e a manutenção da biodiversidade existente”.

 

Os projetos vencedores da 1ª edição do “FUNDO para a Conservação dos Oceanos” foram:

 

IslandShark - Oceanic islands as Essential Habitat for Sharks | Universidade dos Açores/ OMA- Observatório do Mar dos Açores;

FindRayShark - Applying innovative technologies to the conservation of rays and sharks | MARE- Centro de Ciências do Mar e do Ambiente;

Shark Attract - Sharks and Rays conservation by enhancing awareness within fishermen communities and society | MARE- Centro de Ciências do Mar e do Ambiente.

 

- Foto: Tiago Caramujo

 

Os três projetos vencedores abordam diferentes temáticas, desde habitats e ecossistemas, tecnologia ao serviço da conservação e o envolvimento da sociedade. No seu conjunto estes projetos terão impacto significativo na evolução da competência e capacidade de proteger as raias e tubarões.

 

Os projetos selecionados cumpriram todos os rigorosos critérios de avaliação do júri internacional de renome, que apoiou o Oceanário de Lisboa e a Fundação Oceano Azul na concretização do prémio. A elevada qualidade das candidaturas apresentadas levou à decisão em eleger três vencedores.  O júri integrou as seguintes personalidades:

 

Sarah Fowler - Founding Trustee da Shark Trust, ex. Co-Chair do Shark Specialist Group da IUCN’s Species Survival Commission, Investigadora principal da Save our Seas Foundation;

Paul Cox – Diretor do Shark Trust;

Simon Pierce – Co-fundador e investigador principal da Marine Megafauna Foudation e também membro do Shark Specialist Group do IUCN.

 

Perfil em destaque

  • Constância Simões Constância Simões

    Esta semana fomos até à ponta sul do país, ao Algarve, falar com uma nova promessa do surf feminino… 

Scroll To Top