sexta-feira, 21 maio 2021 10:54

Surfistas e bodyboarders do Guincho unem-se para criar a Associação “Guincho Locals”

Para assegurar que este património se mantenha e perdure...

A Praia do Guincho e a zona envolvente são das mais bonitas paisagens do nosso país.

A praia do concelho de Cascais tem sido palco de várias competições de surf, desde a Liga Meo a etapas do circuito de qualificação mundial de surf da World Surf League. Inserida numa zona de paisagem protegida, o Guincho é um dos maiores tesouros do nosso país e a Associação Guincho Locals foi criada para que continue a ser visto como tal.

Fundada em 2020 e registada em Janeiro de 2021, a Associação foi criada por um grupo de amigos que faz parte daquela comunidade frequentadora do Guincho e envolvente que não deixa em branco os atentados à paisagem protegida.

Numa conversa à Surftotal, Francisco Lourenço, Presidente da Guincho Locals, falou-nos sobre esta nova Associação e os seus projectos para esta emblemática zona do nosso país.

 

Olá Francisco. Quem são os membros fundadores da Associação Guincho Locals?

Os membros fundadores são um grupo de amigos surfistas e bodyboarders, antigos nadadores salvadores do Guincho e Cresmina, com mais de 30 anos de experiência e usufruto daquelas praias. Conhecemos aquele local como ninguém. O que pretendemos, no fundo, é assegurar que este património que agora é desfrutado pelas novas gerações, como os nossos filhos, se mantenha e perdure. Queremos deixar toda a zona do Guincho intocável e protegida e continuar a ser um local ou refúgio onde se possa sentir, respirar, contemplar a paisagem, o pôr do sol, surfar, gastar as energias e voltar à rotina do dia a dia e não deixar esta paisagem desleixada e suja por quem visita, mas que todos a vejam e reconheçam como um património a preservar.

 

 

Alguns elementos fundadores da Guincho Locals na primeira assembleia durante a pandemia.

 

 

 

“Constatámos que quando nos encontrávamos

os temas das nossas conversas já não eram apenas sobre ondas, viagens ou surfadas memoráveis,

mas sobre o estado das praias desta costa oeste de Cascais”

 

 

 

Como e através de quem surgiu a ideia de criar a associação?

A ideia surgiu durante o ano de 2020, durante a fase da pandemia e sentimos a necessidade de constituir uma associação depois do falecimento dum amigo nosso, um verdadeiro local do Guincho – o Diogo Liberal ou Malveirão, depois de vermos as dificuldades que as entidades competentes e polícia marítima tiveram no seu resgate. Alguns de nós, com a experiência adquirida nas correntes com o surf, bodyboard e com os anos de experiência como nadadores salvadores na praia do Guincho, sentimos que faltava mais algum apoio a essas entidades e que isoladamente não tínhamos força para intervir, mas como uma associação local poderíamos ter um papel diferente.

Constatámos também que quando nos encontrávamos – durante a pandemia - os temas das nossas conversas já não eram apenas sobre ondas, viagens ou surfadas memoráveis, mas sobre o estado das praias desta costa oeste de Cascais: A falta de limpeza, o caravanismo selvagem que tem aumentado na Cresmina, na costa junto ao Cabo Raso, Guincho Norte, Oitavos. Não censuramos essa prática, até porque alguns de nós já desceram a costa da Califórnia para surfar e inclusive no Big Sur vemos enormes autocaravanas, mas aí não se vê ninguém a pernoitar, nem a deixar a paisagem suja. O mesmo acontece no Sul de França, em Biarritz (geminada com Cascais) ou Hossegor em que é proibido pernoitar nas praias e arriscas-te a levar multas pesadas. Aqui no Guincho o caravanismo selvagem constitui um atentado ambiental e o que esses cidadãos fazem em Cascais, não lhes é permitido fazer no país deles. Com efeito, essas caravanas despejam as fossas nos estacionamentos e quem não tem wcs incluídos nos veículos defeca diretamente nas praias ou dunas, conspurcando os locais. Por isto e para impedir que o Guincho chegue ao estado da Costa Vicentina onde associações congéneres têm feito um trabalho incrível na preservação daquele património, resolvemos criar a associação.

 

 

 

 

Como funciona a associação?

A associação já está devidamente constituída e já reuniu algumas vezes presencialmente (em assembleia) onde foram apontadas algumas das prioridades que sentimos. A par disso, diariamente, abordamos no grupo do whatsapp situações que consideramos pertinentes para a salvaguarda da paisagem e tentamos encontrar soluções. Não temos por hábito fazer denúncias gratuitas no Facebook ou Instagram para ter algum protagonismo. Antes pelo contrário. Vamos ao encontro dos problemas para tentar resolver as situações da melhor forma (seja através da limpeza das praias, seja por apelos às entidades competentes para tomar posições que são da sua responsabilidade e mostramo-nos disponíveis para colaborar na solução). Por isso é que ainda não somos muito conhecidos.

 

 

Que ações já foram feitas através da Guincho Locals?

Fizemos acções de limpeza do areal da Cresmina e da costa do Cabo Raso. Como a Câmara de Cascais limpa com tractor o areal da Praia do Guincho, a nossa preocupação recai sobre as zonas onde a autarquia não chega.

Por ocasião da remoção do Pinheiro de Alepo feita pela autarquia, ao abrigo do programa de fundos europeus “POSEUR, Portugal 2020” que visou a “Recuperação do Sistema Dunar Cresmina - Guincho”, a associação entrou em contacto com o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, para pedir esclarecimentos sobre essa intervenção, uma vez que acompanhámos (enquanto utentes da praia) a intervenção feita nas dunas do Guincho e Cresmina (Duna principal e parabólica) em 2010 – levada no âmbito da candidatura ao Quadro de Referência Estratégico (QREN), com um custo total de 1.519,322.31€, com uma comparticipação comunitária de 663,721.15€ que visou, entre outras, a construção dos passadiços sobre as dunas da Cresmina e estancar as dunas do Guincho (com vime), e agora com a remoção da espécie Pinheiro de Alepo fazia-nos confusão porque era um elemento que estancava as dunas da Cresmina. Contudo, a convite da vereadora do Ambiente, Joana Balsemão, fomos ao local e tivemos a oportunidade de no local expressar as nossas preocupações sobre a manutenção das dunas e obtivemos esclarecimentos por parte dos técnicos responsáveis pelo projecto que a operação visava fomentar a biodiversidade da duna que era congestionada pelo Pinheiro de Alepo em algumas áreas da duna parabólica da Cresmina.

As acessibilidades ao areal são também uma preocupação. Temos igualmente alertado a Câmara de Cascais para o problema de acesso na praia do Guincho, nomeadamente, a escada de madeira que era para ser provisória, enquanto durasse a obra na Estalagem do Muchaxo e durante cerca de quatro anos tem-se mantido definitiva. O problema é que os ventos e as oscilações das areias provocam um enorme degrau para quem sobe e desce, constituindo um perigo para os mais idosos e um obstáculo para os mais novos. A Câmara adiantou-nos que está previsto um passadiço para aquela zona. Mas, segundo apurámos, esse projecto está dependente de resposta da APA (Agência Portuguesa do Ambiente) e da CCDR -LVT (Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo) e insere-se dentro dum subsídio que a Câmara de Cascais tem de gastar.

Até lá, vamos esperando por uma entrada mais digna e ambientalmente integrada  - sem ter uma intervenção ostensiva e monumental – para uma praia que venceu o Prémio Cinco Estrelas Regiões 2021 na categoria Praias e venceu o concurso 7 Maravilhas – Praias de Portugal, na categoria Praias de Uso Desportivo, em setembro de 2012 concorrendo pela região de Lisboa e Setúbal.

Também alertámos a Câmara de Cascais para que não sejam cometidos mais “erros” como os que se verificaram na remoção dum estacionamento junto da estrada principal de pavimento com blocos de cimento (pavé) onde a empresa ao serviço da Câmara removeu os blocos de pavimento e despejou-os na duna principal da Cresmina junto ao passadiço/ciclovia elevada, pensando que a areia iria tapar os destroços das obras. Ora, é uma situação caricata, tanto mais que no gradeamento que impede o acesso às dunas está um sinal implantado pela câmara a proibir vazamentos nas dunas. Uma situação que já dura há anos e que todos os dias com as nortadas a duna desvenda o betão que lá está.

 

 

 

 

 

“As acessibilidades ao areal são também uma preocupação (...)

a escada de madeira era para ser provisória,

enquanto durasse a obra na Estalagem do Muchaxo

e durante cerca de quatro anos tem-se mantido definitiva”

 

 

 

O Principal acesso à praia do Guincho

 

 

Que projectos e acções a associação tem planeadas e para quando?

Os projectos mais imediatos são a limpeza e a sensibilização dos frequentadores para manter o Guincho natural. Não temos dias planeados para fazer isso. Trocamos mensagens no Whatsapp e vamos. Mas, todos os dias falamos com alguém na praia que se mostra interessado em juntar-se a nós. Esse é o nosso objectivo. Criámos o Facebook da associação para ir dando informação sobre as nossas acções e sensibilizar para a importância da preservação do Guincho, ainda está no início, mas tivemos centenas de visualizações, o que nos deixa muito contentes e nos aumenta a responsabilidade; Registámos a marca “Guincho Locals” e pretendemos produzir produtos para contribuir para a sustentabilidade da nossa actividade. Atualmente, todo o material que temos para as nossas atividades de limpeza (incluindo álcool gel, máscaras e parafusos para corrigir algum corrimão de madeira estragado) é por nossa conta.

 

 

Acção de limpeza do areal da Cresmina com a colaboração dos filhos dos elementos da Guincho Locals

 

 

 

“Gostávamos de ver a associação crescer

com pessoas com os mesmos interesses e preocupações que nós

e que pudessem partilhar as suas ideias”

 

 

 

Resultado duma acção de limpeza na praia da Cresmina, 56 quilos de lixo e uma gaivota morta

 

 

A Praia do Guincho é uma referência para o surf e atrai não só surfistas de todo o país mas também de todo o mundo. Qual o papel da associação a nível de educação de novos surfistas para a preservação desta praia sem igual no nosso país e pela criação de um ambiente saudável no line up?

A praia do Guincho tem um tipo de onda que cativa pessoas de todo o mundo, mas nem todos têm características ou perícia para enfrentar a sua força. Como em todas as praias de Portugal, o Guincho também tem tido uma maior procura, não só por nacionais como por estrangeiros. O nosso papel é respeitar todos e ser respeitado. A sensibilização para a conservação e limpeza é essencial fora de água, mas no line up tem de haver consideração. Não somos os donos do pico mas, tal como acontece nas praias dos outros países, o respeitinho é muito bonito e nós gostamos.

 

 

 

Itens relacionados

Perfil em destaque

Scroll To Top