Raquel Otero, 15 anos, de Viana do Castelo. Raquel Otero, 15 anos, de Viana do Castelo. Foto: Arquivo Pessoal

Itens relacionados

quinta, 16 agosto 2018 16:20

Raquel Otero

Um dos novos talentos do norte português...

 

Aproveitando a Finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças Feminino em Viana do Castelo, realizado no início de agosto, eis que é chegada a hora e a vez de destacar Raquel Otero, atleta Sub-16 que está a ser formada no Surf Clube de Viana. Através do perfil da semana, fica a conhecê-la um pouco melhor. 

 

Nome?

Raquel Carriço Ramires Alba Otero.

 

Idade?

Fiz 15 este ano.

 

Praia Local?

Praia de Santos, São Paulo, Brasil.

 

Estudos?

Vou começar o 10º ano em setembro.

 

Anos de surf?

Aos 7/8 anos brincava de surfar com o meu pai, esporadicamente. Porém, só há dois anos é que comecei a treinar e foquei-me mais no surf.

 

Quiver?

Estou a usar uma 5´5 feita pelo Marcelo Neto, no Brasil.

 

“Achava incrível quando via as outras pessoas a surfar”

 

 

Porque escolheste praticar surf?

Eu sempre gostei muito de estar na praia e no mar e achava incrível quando via as outras pessoas a surfar. Como o meu pai já surfava, um dia pedi para me levar junto com ele.

 

Pico preferido?

Quando estou no Brasil, gosto muito de surfar no Quebra Mar, em Santos, e na praia do Tombo, no Guarujá. Aqui em Portugal, gosto muito de surfar uma direita que parte junto ao pontão na praia do Cabedelo, em Viana do Castelo, que funciona no inverno.

 

Última surfada memorável?

Foi em julho com os meus amigos em Maresias, São Paulo. Passámos o dia na praia, com muito sol e altas ondas, e surfámos várias vezes.

 

“Em Portugal, gosto muito de surfar uma direita

que parte junto ao pontão na praia do Cabedelo”

 

 

Maior susto?

Nunca me aconteceu nada grave, algumas vezes tive de segurar um pouco mais o ar debaixo da água, mas nada de mais. O que mais me marcou não aconteceu comigo, mas antes com um amigo que estava a surfar e que, quando terminou a manobra, foi atingido pelo bico de uma prancha. Saímos todos da água para ajudá-lo e ele recebeu 16 pontos.

 

Última viagem de sonho?

Ainda não fiz nenhuma surf trip.

 

Competição ou free surf?

Gosto muitos dos dois, acho que se complementam. Adoro competir, sentir a adrenalina durante o heat, aproveitar o dia na praia. E com o free surf experiencio o momento de treinar novas manobras, arriscar bastante e divertir-me dentro d’água com meus amigos. Poder juntar os dois é incrível!

 

A frase favorita?

"Life is like surfing... When you get caught in the impact zone, you need to get right back up, because you never know what´s over the next wave, and if you have faith anything is possible” - Bethany Hamilton 

 

“Gostaria que, com o crescimento do surf, também aumentasse

a consciencialização em relação ao lixo que se acumula no mar”

 

 

Como está o surf atualmente?

O surf é um desporto que está cada vez a crescer mais e as manobras estão a ser mais radicais, o que acho muito bom. Gostaria que, com este crescimento, também aumentasse a consciencialização em relação ao lixo que estamos a deixar que se acumule no mar.

 

Quem é a tua grande inspiração nacional e internacional?

Gosto de muitas surfistas. A nível nacional, a minha maior inspiração é a Carol Henrique. Internacional: Bethany Hamilton, Silvana Lima e Stephanie Gilmore são algumas das surfistas que admiro muito.

 

Mensagem a deixar?

Agradeço sempre a oportunidade de surfar, divertir-me em contato com a natureza e a sorte de ter por perto amigos, família e muitas pessoas que me apoiam. Acredito que seja muito importante começarmos a cuidar melhor das praias e dos oceanos, antes que fiquem poluídos de uma forma que não haja mais vida marinha.

 

--

Nota: Fotos de arquivo pessoal

Perfil em destaque

vimeo

 

 

Scroll To Top