banner topf
Muito dificilmente John John não fará parte da competição em Tóquio, já Kelly Slater... Muito dificilmente John John não fará parte da competição em Tóquio, já Kelly Slater... Foto: WSL/Kelly Cestari

Itens relacionados

sexta, 16 fevereiro 2018 15:37

Dois berbicachos para resolver nos Jogos Olímpicos 

Processo de seleção e sponsors dos atletas em análise… 

 

Bem, tendo como base o último comunicado das duas entidades que regem o surf mundial, International Surfing Association e World Surf League, em dezembro último, onde se ficou a saber que ambas chegaram a acordo relativamente ao processo de seleção dos atletas que irão participar nas próximas Olimpíadas - Tóquio 2020; ficou claro que restam pelo menos dois berbicachos para resolver no trajeto inaugural do surf em busca da chama olímpica.

 

Por um lado, o próprio processo de seleção de atletas. As linhas mestras do mesmo já foram reveladas (aqui) e, embora tenham sido aprovadas entre a WSL e a ISA, carece ainda de uma decisão final da Direção Executiva do Comité Olímpico Internacional para que o processo fique completo - será decidido em reunião do COI a ter lugar ainda neste mês de fevereiro. 

 

No acordo entre a ISA e WSL, além dos World Surfing Games e Jogos Pan-Americanos, bem como uma seleção direta por parte da WSL, nenhuma outra região do globo foi contemplada com provas de qualificação aos JO, facto que, obviamente, não agradou a todas as federações. Aliás, convenhamos, levantou até muitas dúvidas e gerou um sem rol de críticas, nomeadamente por parte da Federação Portuguesa de Surf, através do seu presidente, João Jardim Aranha, que em entrevista exclusiva não deixou de manifestar a sua preocupação.  

 

Qual é mesmo o critério para ser selecionado? Quem? Como? Que lugares dão acesso? É certo que já existe informação, mas ainda é pouca clara e percetível. Quer a WSL quer a ISA têm que esclarecer com caráter de urgência como serão efetivamente apurados os 40 atletas que irão participar na competição de Surfing em Tóquio 2020. 

 

Já o segundo berbicacho tem a ver com os patrocinadores dos atletas… e o facto de não poderem ser comunicados, de parte a parte. Aparentemente, existe uma regra dos Jogos Olímpicos (denominada de Regra 40) que impede que publicidade seja feita durante o evento (inicia alguns dias antes e prolonga-se alguns dias após o término). Muito resumidamente, essa regra proíbe que todos os atletas mencionem os seus patrocinadores, sob qualquer forma (em posts nas redes sociais, em entrevistas, subidas a pódios, etc), o que até tem lógica uma vez que estes estão a representar o seu país; e por seu turno também proíbe que as marcas mencionem os seus atletas e/ou elaborem campanhas em torno dos mesmos durante o período que compreende os Jogos Olímpicos.

 

No fundo, é um período de carência no que diz respeito a promoção... mesmo que se saiba em última instância que os surfistas são, na sua grande maioria, empregados das marcas de surf. São estas que lhes pagam o lifestyle, as idas a campeonatos, etc. A exceção é feita apenas e exclusivamente para marcas que são parceiras dos Jogos Olímpicos - o que será um feito difícil de alcançar para uma marca que se diz de surf. No entanto, isto obriga apenas a mais alguma criatividade adicional de forma a dar a volta à questão. 

 

Já no que diz respeito ao uniforme oficial dos atletas, para além da roupa que estes devem vestir e ostentar orgulhosamente, os responsáveis dos Jogos Olímpicos também deverão proibir eventuais autocolantes afixados nas pranchas de surf e outros logótipos alusivos a marcas que constem nos fatos em neoprene. Aliás, sublinhe-se, tal como já acontece noutras modalidades de pranchas de deslize, como, por exemplo, o Snowboard onde apenas o nome do fabricante da prancha pode constar de forma visível. 

 

No entanto, esta área é considerada “cinzenta" pelos peritos e depende muito se o material usado tem influência direta na performance do atleta. Se tiver, então o atleta, por norma, é autorizado a usar o produto da marca que bem quiser e entender. 

 

Faltam dois anos até Tóquio 2020, mas estas e outras questões são pequenas arestas que permanecem por limar. 

Perfil em destaque

Scroll To Top