Frederico Morais dominou a bateria, mas acaba por ser remetido ao Round 2. Frederico Morais dominou a bateria, mas acaba por ser remetido ao Round 2. Foto: WSL

Itens relacionados

segunda, 14 maio 2018 16:10

Frederico Morais no Round 2 do Rio Pro

Confere o essencial do Round 1 masculino... 

 

No primeiro dia de competição masculina no Oi Rio Pro, a quarta etapa do Championship Tour 2018, a World Surf League decidiu mudar a competição da praia de Itaúna para a da Barinha - o local de “backup”, mas que, aparentemente, tem vindo a debitar melhores ondas. 

 

Foi uma noite intensa e complexa, de muitos preparativos e trabalho, mas às 11h (hora portuguesa) estava tudo pronto e a horas para o arranque do evento. 

 

Nesta primeira ronda masculina, as ondas mostraram-se de feição e bem consistentes, com forte potencial para manobrar, apesar de se ter visto um restart no Heat 4, precisamente aquele em que vimos Mikey Wright remeter, uma vez mais, o bicampeão mundial, John John Florence, para a sempre stressante ronda 2.

 

Na verdade, Mikey dominou praticamente a totalidade da bateria, até John John ter passado para a liderança com uma onda de 9.10 pontos conseguida a poucos minutos do final (ver vídeo em anexo). Contudo, o australiano não desistiu e antes da buzinadela virou novamente a bateria a seu favor - assinalando 7.83 pontos. 

 

 

Relativamente às restantes baterias, destaque também para Miguel Pupo, Wade Carmichael, Yago Dora e Willian Cardoso que atiraram, respetivamente, Jordy Smith, Owen Wright, Michel Bourez e Jeremy Flores para o Round 2. 

 

À entrada no Heat 12, precisamente o último desta ronda e onde se encontrava o português Frederico Morais, foi o norte-americano Kolohe Andino quem começou a ditar o ritmo, com um reverse air enorme em direção à “flat zone"… mas que Andino não consegue aterrar por completo e na perfeição. Acaba por receber 1.27 pontos. 

 

Morais responde com 5.83 pontos (super seguro e bem sharp) e o brasileiro Michael Rodrigues dá troco com 3.30. Game on!  À sua primeira onda, o português junta uma segunda nota de 5.93 pontos - onda bem surfada, em alta velocidade, a passar secções. 

 

Kolohe Andfino, por sua vez, a precisar de 8.29 pontos para primeiro, consegue aterrar uma das várias tentativas de reverse air que já tinha feito na bateria. Recebe 7.57 e avança ao segundo lugar do Heat com a nota mais alta (até ao momento). Um prémio pelo risco. Fica a precisar de 4.19 pts. 

 

Frederico ainda faz um 4.33 pelo meio, mas é uma nota que já não entra nas contas. Com o primeiro lugar no Heat em aberto foi Andino quem, a 2 minutos do final, apanha uma onda, surfa muito bem e acaba por receber 5.83. O americano passa para primeiro. 

 

À procura de 7.48 pontos, a 40 segundos do fim, Kikas não encontra mais nenhuma onda e acaba por ser remetido para o Round 2 em segundo lugar no Heat. Vai agora competir no Heat 8 com o norte-americano Pat Gudauskas. 

 

Assiste à ronda 2 AQUI

 

Perfil em destaque

  • Rodrigo Chaves Rodrigo Chaves

    Conhece um dos jovens surfistas da região da Grande Lisboa… 

Scroll To Top