DICAS DE SEGURANÇA EM TOW-IN Red Bull

Itens relacionados

sexta-feira, 01 novembro 2013 15:12

DICAS DE SEGURANÇA EM TOW-IN

Está na ordem do dia e a SurfTotal explica-te tudo!

 

Parece ser o tema na ordem do dia... nos últimos dias. Todos falam de ondas grandes. Todos falam de perigo. Todos falam de possíveis acidentes. De possíveis desastres e tragédias. Uns criticam. Outros louvam. A SurfTotal optou por te falar em segurança. Fica a saber algumas das dicas essenciais de segurança, quando se fala de tow-in.

 

Há algumas semanas, numa entrevista à SurfTotal, Hugo Vau, que faz parte da equipa de resgate de Garrett McNamara desde 2007, avançava que quando se “surfam ondas grandes o que prevalece é o espírito de UNIÃO, de amizade, mesmo que os surfistas não se conheçam de parte alguma são da mesma família”. Fica agora a saber mais sobre esta segurança.

 

A segurança numa sessão de tow-in começa em terra. Tudo tem de ser verificado minuciosamente, pois trata-se da segurança de todos os intervenientes. As motas devem ser testadas antes de sair das garagens, e devem ser testadas novamente no momento antes de as colocar dentro de água. Pequenos pormenores são tidos em conta, como a verificação das vedações das tampas que dão acesso ao motor, a existência de alguns apetrechos que permitem uma intervenção técnica primária já dentro de água, a quantidade de combustível no depósito e a verificação da segunda chave da mota (suplente). O estado geral das motas deve também ser verificado, procurando-se fendas no casco ou objectos presos à saída do motor. Deverão ser informadas as autoridades locais, para que estejam alertas a possíveis acidentes.

Quanto aos pilotos e tow-in surfers, devem estar munidos de coletes adequados às condições da sessão, tal como capacetes e barbatanas no caso dos pilotos. Os procedimentos de segurança destas sessões, estão presentes desde a altura em que se faz a deslocação para o line up até ao momento de resgate após a onda surfada. Os tow-in surfers tem regras que minimizam os riscos quando estão a ser rebocados, ter sempre em vista a corda, saber-se colocar no sled, tal como saber como substituir o piloto caso seja necessário.

Já durante a sessão, os pilotos devem ter sempre um e um só foco, o surfista que rebocam. O piloto é como um garda-costas para o surfista, é a pessoa que o coloca em risco, mas também é a pessoa que o vai resgatar. Mas para ser resgatado, também existem técnicas. Após o surfista terminar a onda, deve permanecer no mesmo local e tentar fazer tudo para que esteja á vista dos pilotos.

O resgate é feito a dois, o surfista ao ver que a mota se aproxima deverá erguer o braço direito para que o piloto o possa ajudar a subir para o sled. Mas isto é quando tudo corre bem. Existe sempre a possibilidade de ter de resgatar o surfista inanimado. Nessas circunstancias, o resgate é mais complicado e arriscado para o piloto, sendo necessário uma prática continuada destas técnicas por forma a que quando se têm que utilizar se façam com a máxima eficacia.

Já no final, todas as verificações iniciais, deverão ser repetidas para que a certeza de que a próxima entrada na água será o mais segura possível.

A cumplicidade e relação entre pilotos e tow-in surfers é essencial á prática desta vertendo do surf. É normal vermos duplas frequentemente que acabam por ser uma equipa, Ramon Laureano e António Silva ou Maya Gabeira e Carlos Burle.

Para mais informação sobre técnicas de tow-in e resgate consulta o site da Jet Resgate Portugal. Aqui encontras também o calendário de acções de formação de tow-in.


Fica ainda com o programa da SurfTotal que aborda este tema.

 
 

 


Perfil em destaque

Scroll To Top