40 anos depois, o reencontro. 40 anos depois, o reencontro. Foto: ABC News Australia

Itens relacionados

segunda-feira, 13 agosto 2018 15:06

Prancha roubada volta a casa… 40 anos depois! 

Dono original reconheceu-a numa foto publicada online… 

 

Na Austrália, há mais de 40 anos, uma prancha de surf foi roubada de uma garagem. Era a garagem da mãe de Peter Gilson, um surfista de Newcastle que recebera a referida prancha de surf quando era miúdo.

 

Na verdade, segundo Peter, a prancha custou mais ao equivalente a mil euros, no final dos anos 70, e tem uma carga sentimental muito forte uma vez que o próprio se recorda que a sua mãe teve que poupar e juntar dinheiro durante muito tempo para a conseguir comprar.

 

Na altura do roubo Peter Gilson ficou chateado, mas não dedicou muito tempo ao assunto uma vez que ainda era miúdo. No entanto, de vez em quando, com o passar dos anos e à medida que crescia, lembrava-se da prancha, especialmente porque tinha noção de que a sua mãe havia feito um esforço enorme para a adquirir.  

 

Num destes dias, ao dar uma giro pelo Facebook, o Sr. Gilson foi dar a uma galeria de pranchas antigas, acabando por dar de caras com a sua velhinha prancha de surf. Esta encontrava-se na coleção da Galeria de Surf da Austrália Ocidental, situada bem perto de Margaret River. 

 

É provável que ao longo dos anos a prancha de surf tenha passado por vários donos até terminar com Mick Ray, um surfista da Austrália Ocidental que acabou por doar a prancha ao curador da galeria, que mais tarde a recuperou e colocou em exposição. 

 

Numa troca de emails, Peter explicou a situação e acabou por confirmar a sua ligação histórica com a prancha vintage. Os responsáveis da galeria compreenderam e acabaram por aceitar devolvê-la ao seu dono original que, garante, vai mantê-la na posse da família eternamente. 

 

Na verdade este é um episódio do mundo do surf com que muitos se podem relacionar, pois, por norma, as primeiras pranchas de surf são oferecidas por um familiar, já em segunda mão, ou então são compradas com o dinheiro do primeiro salário de um emprego de verão ou simplesmente com o dinheiro de uma poupança empreendida durante um longo período. Em todos os casos, a carga sentimental está presente. 

 

Alguém se identifica com isto? 

 

Perfil em destaque

Scroll To Top