banner topf

Itens relacionados

terça, 07 maio 2019 16:51

A EVOLUÇÃO DAS PRANCHAS DE SURF AO LONGO DA HISTÓRIA

Eric “Bird” Huffman criou na Bird's Surf Shed, em San Diego, Califórnia, muito mais do que uma loja de surf...

A despretensiosa estrutura de ambiente industrial e tetos arqueados está coberta por uma extensa coleção de pranchas que contam a história do surf moderno.

A paixão de Huffman por surf já tem mais de 50 anos e é visivel nas cerca de 1200 pranchas que exibe na Bird's Surf Shed, desde longboards em madeira de balsa às mais modernas shortboards. Hoje mostramos-te seis das pranchas da sua coleção que moldaram a evolução do desporto descritas pelo próprio Eric Huffman.

 

A icónica loja possui cerca de 1200 pranchas de surf que contam a história do desporto Foto: Birds Surf Shed

 

 

ANO  - 1944

MODELO -  9’8 Planing Hull

SHAPER -  Bob Simmons

 

A maioria das pranchas na altura era feita por um surfista para outro surfista, e cada área na Califórnia tinha talvez dois ou três gurus com uma visão ligeiramente diferente dos designs. Simmons foi considerado um shaper muito revolucionário. Ele era um pessoa com muita experiência, muito interessado em hidrodinâmica. Esta era a sua prancha pessoal. É balsa sólida.  Simmons estava na vanguarda do design.

Material: madeira de balsa

Fins: Single Fin

 

 

ANO - 1966

MODELO -  10’0 Gordon & Smith

SHAPER -  Skip Frye

 

Esta foi como uma época de ouro. Depois da era do cinema de Gidget no final dos anos 50 e dos anos 60, o surf descolou. A sociedade foi exposta aos aspectos culturais de várias maneiras. No início, foi amigável, divertido e leve. Então os próprios surfistas ganharam uma certa reputação por serem meio beatniks e eventualmente hippies porque viviam um estilo de vida alternativo. O surf foi o primeiro e outras responsabilidades foram baseadas na capacidade de surfar. Esta prancha é feita de espuma e fibra de vidro. Tem um  stringer de madeira e os fins estavam, na sua maior parte, permanentemente presos à prancha. As fins removíveis estavam a começar a aparecer, principalmente para que as pranchas ficassem mais fáceis de transportar quando eram embarcadas, mas rapidamente se tornaram num sistema de aprimoramento de desempenho. O nível de surf melhorou bastante porque o equipamento melhorou em termos de design e material. Gordon & Smith foi um dos maiores produtores da época.

 

Material: Espuma de Poliuretano e Fibra de Vidro

Fins: Single Fin

 

 

ANO - 1972

MODELO - 6’9 Hansen

SHAPER -  Joe Roland

 

Houve uma mudança dramática do longboard para o shortboard, basicamente trazida pelos australianos, chamada de Shortboard Revolution. Os surfistas estavam a construir as suas próprias pranchas, tornando-se mais criativos para um surf mais agressivo. Isto levou muitas empresas a sair do negócio. Ninguém iria surfar em pranchas acima de um determinado comprimento. As principais lojas de surf fecharam e todo o desporto mudou rapidamente. Hansen não era uma marca tão grande quanto Hobie ou Dewey Webber, mas a qualidade estava ao mesmo nível, se não o superasse.

Material: Espuma de Poliuretano e Fibra de Vidro

Fins: Single Fin

 

ANO - 1973

MODELO - 5’6 Fish

SHAPER - Steve Lis

 

Steve Lis era um kneeboarder. Eu também cresci como um kneeboarder. Surfavamos ondas de joelhos em pranchas mais curtas. Era desaprovado pela comunidade do surf e criticado com termos depreciativos, como “meio-homem”. Mas, os praticantes de kneeboard pressionaram os limites do wave-riding; poderias encaixar-te em partes da onda que não eram tão acessíveis. Steve Lis surgiu com o design de um peixe, que era uma twin fin específica - muito curta, de alto volume, com uma prancha plana com velocidade. Tinha largura, flutuação e estabilidade semelhantes, mas com um comprimento muito menor do que o que os surfistas estavam a usar. As pessoas pensaram que era uma tendência, porque desapareceu, mas voltou no final dos anos noventa. Esta prancha em particular não tem marca; Lis nunca teve uma marca. Foi um tempo subterrâneo. Muitas das pranchas eram construídas em garagens e ter uma marca era um pouco duvidoso, pois mostrava que não tinhas o know-how ou a criatividade para criar as tuas próprias pranchas.

 

Material: Espuma de Poliuretano e Fibra de Vidro

Fins: Twin Fin

 

ANO - 1986

MODELO - 6’8 Bill Barnfield Surfboards

SHAPER - Bill Barnfield

 

Simon Anderson foi um surfista do World Tour que desenvolveu a configuração do propulsor com três quilhas. Bill Barnfield, um shaper de topo no Havaí nos anos setenta e oitenta, aderiu a esse design muito rapidamente no início dos anos oitenta e alterou-o um pouco para se adaptar melhor às ondas havaianas e surf maior. Houve grandes mudanças no surf mais tarde nos anos oitenta. Tornou-se mais comercial e virado para o estilo. Havia muito dinheiro na indústria e a integridade da construção de pranchas começou a sofrer com a enorme quantidade de pessoas que surfavam. Infelizmente, a roupa, a pose, o visual (de ser surfista) tornaram-se mais importantes do que a função da prancha de surf. Mas Barnfield permaneceu dedicado ao desempenho e qualidade.

Material: Espuma de Poliuretano e Fibra de Vidro

Fins: Thruster

 

ANO - 2018

MODELO - 5’6 Firewire Evo Helium

SAPER -  Daniel Thomson

 

A maior mudança nos últimos quinze anos foi revisitar designs e tentar promovê-los. Há uma grande variedade de formas diferentes de pranchas e, mais importante agora, variedade de materiais. As pranchas de surf não são amigas do planeta. Tudo numa prancha é baseado em petróleo. Agora, finalmente, as pessoas estão a trabalhar em direção a um conceito mais sustentável. A Firewire está a usar epóxi e madeira à base de plantas e a sua espuma EPS – ainda enquanto espuma - é mais forte. Estas pranchas não são shapeadas à mão, mas construídas em modelos com um computador no exterior. Daniel Thomson, conhecido por “Tomo”, criou esta prancha. Ele é o shaper mais inovador com quem lidei, remontando a Bob Simmons. Ele estudou hidrodinâmica e incorporou fórmulas em pranchas de construção. As pranchas são pouco ortodoxas. Mas há benefícios de desempenho. Todas as pranchas são flexíveis do nose ao tail como também nos rail. Elas têm um rail de madeira parabólico construído em torno do perímetro da prancha que dá uma outra dimensão. O Evo Helium é o canivete suíço de pranchas de surf. Podes montá-la em dois pés em ondas sólidas. Tens de ter os fundamentos do surf porque a prancha é um pouco técnica. ”

 

Material: Madeira Paulownia, Espuma de Poliestireno e Epóxi Biorresin

Fins: Conversível, Three Fin a Quad Fin Set Up

 

 

 

 

Perfil em destaque

Scroll To Top