ActivoBank
quarta, 05 junho 2019 17:08

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS PODEM POR EM RISCO A SOBREVIVÊNCIA HUMANA ATÉ 2050

O aviso vem da Austrália, a esperança vem de uma criança de 16 anos de idade.


Uma equipa de investigadores Australianos, preocupados com o futuro da Austrália e do Planeta Terra prevêm um cenário de caos e morte resultantes das alterações climáticas provocadas pelo estilo de vida das sociedades humanas que atualmente habitam o planeta Terra. Afirmam que caso não haja a capacidade de mudar de imediato o estilo de vida de grande parte da humanidade, assim como o consumo e produção de combustíveis fosseis, a vida sofrerá uma dizimação de gigantes proporções, pondo em causa a sobrevivência da nossa espécie - os Humanos.


O Centro Nacional Para a Restauração do Clima australiano tentou prever, com base nas investigações científicas realizadas até ao momento, qual seria o cenário em 2050. Os resultados estimam que o planeta esteja sob o efeito de um calor extremo que ameaçará a sobrevivência humana, que vários ecossistemas colapsem, milhões de pessoas tenham de ser deslocadas deixando algumas das cidades mais populosas do mundo devido a estas ficarem submersas e que a produção de alimento e reservas de água baixem drásticamente.

Home Front - Part I - Existential Gamble from Breakthrough on Vimeo.


Para Chris Barrie, autor do estudo e ex-diretor do Departamento de Defesa Australiano, não há dúvidas de que "depois da segunda guerra mundial, as alterações climáticas provocadas pela ação humana, são uma ameaça real à vida humana no planeta".


David Spratt e Ian Dunlop, também eles autores do estudo e investigadores experientes dedicados ao clima, concordam que as alterações climáticas representam uma "ameaça existencial a curto prazo para a civilização humana".

As consequências?
- 55% da população mundial (a viver em 35% da superfície terrestre) sofrerá mais de 20 dias de calor letal por ano, algo "além do limiar de sobrevivência humana";
- Em África, na América do Sul, no Médio Oriente e no Sudeste Asiático, a falta de água e o calor extremo levarão à deslocação de aproximadamente mil milhões de pessoas;
- A produção de alimentos diminuirá devido ao "declínio catastrófico" das populações de insetos, ao clima muito quente e à escassez de água. Sem alimentos suficientes para a população mundial, os preços subirão vertiginosamente;

Nos resultados publicados pode ler-se ainda que "as consequências sociais vão desde o aumento do fervor religioso ao caos total", e à "mudança permanente na relação da humanidade com a natureza".

A ESPERANÇA TEM O NOME DE TODOS NÓS E COMEÇOU RECENTEMENTE COM UMA CRIANÇA DE 16 ANOS DE IDADE:

 

A esperança de uma mudança drástica e que poderá estar mais eminente do que nós calculamos vem das crianças e da líder de um movimento de milhões de estudantes em todo o mundo - Greta Thunberg é o rosto da nova geração no combate às alterações climáticas...

A jovem sueca tem inspirado milhares de jovens com as suas ideias levando milhões de estudantes em todo o mundo a decretar greve às aulas pela justiça climática.

A determinação da jovem ativista tem sido tal que para além de no final de 2018 ter surpreendido com a sua intervenção na Cimeira do Clima das Nações Unidas,( na Polónia, acusando os líderes mundiais ao dizer que não são maduros o suficiente para encarar o peso das alterações climáticas e roubando por isso o futuro das próximas gerações), este passado mês de Maio foi condecorada com o prémio - Special Prize Climate Protection" nos Germany's Media awards 2019 e discursou a solicitar a ajuda de todas as figuras públicas presentes para que sensibilizem e influenciem os lideres mundiais no combate real a este fenómeno climático que vai por em causa o futuro da espécie humana em menos de 3 décadas caso não se tomem as medidas necessárias e imediatas.

 

Perfil em destaque

Scroll To Top