ActivoBank

Itens relacionados

quinta, 26 setembro 2019 11:19

RELATÓRIO DAS NAÇÕES UNIDAS MOSTRA IMPACTO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NOS OCEANOS

E outros ecossistemas...

Um grupo das Nações Unidas divulgou ontem um alarmante relatório criado com a ajuda de mais de 100 cientistas de 36 países que mostra como as mudanças climáticas estão a afetar os oceanos e outros ecossistemas, bem como as comunidades que dependem deles.

"O oceano e a criosfera do mundo estão a “absorver” as mudanças climáticas há décadas, e as consequências para a natureza e a humanidade são amplas e severas ”, disse Ko Barrett, vice-presidente do IPCC. “As rápidas mudanças no oceano e nas partes geladas do nosso planeta estão a forçar as pessoas desde as cidades costeiras às comunidades remotas do Ártico a alterar fundamentalmente  os seus modos de vida. Ao entender as causas destas mudanças, os impactos resultantes e avaliar opções disponíveis, podemos fortalecer a nossa capacidade de adaptação .”

 

Gelo a derreter e nível do mar a subir

Glaciares e mantos de gelo nas regiões polares e montanhosas estão a perder massa, contribuindo para um aumento do nível do mar, juntamente com a expansão do aquecimento do oceano. Embora o nível do mar tenha subido globalmente em torno de 15 cm durante o século XX, atualmente está a subir a mais do dobro da velocidade - 3,6 mm por ano - e a acelerar, mostrou o relatório.

O nível do mar continuará a subir por séculos e poderá atingir cerca de 30-60 cm até 2100, se as emissões de gases de efeito estufa forem significativamente reduzidas e o aquecimento global limitado a bem abaixo de 2 ° C, mas atingir 60-110 cm se as emissões de gases de efeito estufa continuarem a aumentar fortemente.

 

Eventos extremos do nível do mar mais frequentes

O aumento do nível do mar aumentará a frequência de eventos extremos, que ocorrem por exemplo durante a maré alta e tempestades intensas. As indicações são de que, com qualquer grau de aquecimento adicional, eventos que ocorreram uma vez por século no passado ocorrerão todos os anos em meados do século em muitas regiões, aumentando os riscos para muitas cidades costeiras baixas e pequenas ilhas.

 

Mudança dos ecossistemas oceânicos

O aquecimento e as mudanças na química do oceano já estão a perturbar as espécies em todo o oceano, com impactos nos ecossistemas marinhos e nas pessoas que dependem deles, afirma o relatório.

Até ao momento, o oceano absorveu mais de 90% do excesso de calor no sistema climático e entre 20 a 30% das emissões de dióxido de carbono induzidas pelo homem desde a 1980, causando a acidificação do oceano. O aquecimento e a acidificação dos oceanos, a perda de oxigénio e as mudanças nos suprimentos de nutrientes já estão a afetar a distribuição e abundância da vida marinha em áreas costeiras, em mar aberto e no fundo do mar.

Mudanças na distribuição das populações de peixes reduziram o potencial global de captura. No futuro, algumas regiões, principalmente os oceanos tropicais, sofrerão reduções adicionais, mas haverá outros aumentos, como no Ártico. As comunidades que dependem muito de alimentos provenientes do mar podem enfrentar riscos de nutrição e segurança alimentar.

 

Até ao momento, o oceano absorveu entre 20 a 30% das emissões de dióxido de carbono induzidas pelo homem desde a 1980.  Foto: REUTERS/DAVID GRAY

Declínio do gelo marinho do Ártico, degelo do permafrost (o tipo de solo encontrado na região do Ártico).

A extensão do gelo marinho do Ártico está a diminuir a cada mês do ano e a tornar-se cada vez mais fino.

Se o aquecimento global fosse estabilizado a 1,5 ° C acima dos níveis pré-industriais, o Oceano Ártico ficaria livre de gelo apenas em Setembro - o mês com menos gelo - uma vez a cada cem anos. Para um aquecimento global de 2 ° C, isso ocorreria até um ano em três.

O solo de permafrost congelado por muitos anos está a aquecer, descongelando e disseminado-se e o degelo do permafrost deverá ocorrer no século XXI. Mesmo que o aquecimento global seja limitado a bem abaixo de 2 ° C, cerca de 25% do permafrost da superfície próxima (3-4 metros de profundidade) derreterá até 2100. Se as emissões de gases de efeito estufa continuarem a aumentar fortemente, existe o potencial de que cerca de 70% do permafrost próximo à superfície possa ser perdido.

 

O relatório conclui que reduzir fortemente as emissões de gases de efeito estufa, proteger e restaurar ecossistemas, e gerenciar cuidadosamente o uso dos recursos naturais tornaria possível preservar o oceano e a criosfera.

“Só conseguiremos manter o aquecimento global bem abaixo de 2 ° C acima dos níveis pré-industriais se efetuarmos transições sem precedentes em todos os aspectos da sociedade, incluindo energia, terra e ecossistemas, bem como na indústria. As ambiciosas políticas e redução de emissões necessárias para entregar o Acordo de Paris também protegerão o oceano e a criosfera – e consequentemente, sustentar toda a vida na Terra ”, disse Debra Roberts, co-presidente do Grupo de Trabalho II do IPCC.

Perfil em destaque

Scroll To Top