banner topf
Medina nunca venceu Morais. Qual será o resultado de mais logo? Medina nunca venceu Morais. Qual será o resultado de mais logo? Foto: Divulgação
quarta, 04 abril 2018 15:54

Algo a ter em conta sobre o desfecho de Bells Beach

Heats com Frederico Morais são de má memória para Gabriel Medina… 

 

Já tivemos oportunidade, hoje, de fazer a devida atualização sobre o Rip Curl Pro Bells Beach numa quarta-feira que se revelou de “lay day” para a elite mundial do surf. Mais logo, por volta das 21h30, a WSL deve dar o sinal de partida para aquele que será o último dia de prova. 

 

Assiste em direto AQUI

 

A competição deve iniciar com os quartos de final masculinos, precisamente a fase onde se encontra Frederico Morais que, aconteça o que acontecer, já garantiu o mesmo lugar conseguido o ano passado nesta etapa - 5.º lugar ex aequo

 

É verdade que Gabriel Medina, campeão mundial em 2014, anda atrás de um resultado expressivo depois de um arranque de temporada lento e de ter terminado em 13.º no Quik Pro em Snapper Rocks (Gold Coast). No entanto, é bom que se refira, o historial não joga a favor do brasileiro quando o assunto é Frederico Morais. Ui ui… 

 

Nos heats disputados com o português até hoje, que são três, Gabriel Medina não se deu bem. O melhor é traduzir isto por miúdos, ou em bom português, que é o mesmo que dizer… ficou sempre atrás! 

 

Vejamos

 

Outubro de 2016 - MEO Rip Curl Pro Portugal

Neste ano Frederico Morais competiu como “wildcard” e venceu o brasileiro na ronda inaugural em Peniche. 

 

Abril de 2017 - Rip Curl Pro Bells Beach

Num heat renhido, disputado em Winkpop, Frederico Morais afastou o brasileiro no Round 3. 

 

 

Julho de 2017 - Corona Open J-Bay

Nas melhores ondas de que há memória, Frederico deixou Medina à procura de 9.60 pontos para levar de vencida o heat das meias-finais. O português acabaria por marcar presença na final. 

 

A juntar a estas contas, há outro dado muito importante que não podemos esquecer. GM só chegou aos 1/4 de final em Bells Beach por uma vez na carreira. Foi em 2015. 

 

Por tudo isto, pensamos que é seguro afirmar que as perspetivas são boas para o português que tem hoje nas mãos (ou melhor, nos pés) uma nova hipótese de dar mais uma alegria aos fãs portugueses. 

 

Nunca é de mais dizê-lo: estamos contigo Kikas! Vamosssss! 

 

--

 

LÊ TAMBÉM: Um World Tour sem o número 1

Perfil em destaque

Scroll To Top