D.R. D.R.

Itens relacionados

segunda, 24 novembro 2014 12:02

NOVO TIPO DE PLÁSTICO DEGRADA-SE EM APENAS TRÊS HORAS

Cientistas da Universidade do North Dakota anunciaram a criação deste novo material.

 

 

Não é segredo para ninguém que o plástico é dos materiais mais poluentes e que simultaneamente mais perdura, acumulando-se em lixeiras durante centenas de anos. Por se degradar de forma tão lenta, acaba por libertar químicos que se infiltram nas águas residuais. Para o oceano é também extremamente nocivo, e a acumulação que tem sido registada ao longo dos últimos anos, resulta muitas vezes na morte para animais marinhos. Como se tudo isto não bastasse, derreter ou queimar plástico pode libertar substâncias tóxicas para o ar que respiramos.

 

Urge, portanto, arranjar soluções que reduzam o ‘tempo de vida’ dos plásticos, e é nesse sentido que os cientistas da Universidade do North Dakota têm vindo a trabalhar. O resultado foi a criação de um tipo de plástico que ao ser exposto a raios ultra violetas, se começa a degradar. A melhor parte? Demora apenas cerca de três horas.

 

Para fabricar este novo material, foi concebida uma solução com moléculas que derivam da fructose - um tipo de açúcar que se encontra na fruta, por exemplo -, juntamente com moléculas que absorvem a luz, denominadas ‘phototriggers’. Ao aquecerem esta mistura os cientistas conseguiram criar um cadeia de pequenas moléculas que formam plástico sólido depois de arrefecidas.

 

De seguida expuseram o plástico a raios ultravioletas com valores semelhantes aos emitimos pela luz solar. Isto levou a que as moléculas que absorvem a luz se desconectem da cadeia, e comece o processo de degradação do plástico. O processo foi tão eficaz que foram necessárias apenas três horas de exposição a raios ultra violetas para que o plástico se tornasse apenas uma solução líquida.


De acordo com os cientistas, estas moléculas podem ser recuperadas e reutilizadas para fazer novos plásticos, o que pode ajudar a reduzir a procura de materiais. Esta invenção poderá ser muito útil em vários campos, nomeadamente para aparelhos electrónicos que são muito difíceis de reciclar e que continuam a levantar muitos problemas de desperdício.


A equipa por trás deste projeto está confiante que  este plástico poderá ser comercializado, faltando apenas afinar alguns detalhes, como conhecer a durabilidade do plástico.



ALGUNS FACTOS SOBRE O PLÁSTICO

- Nos últimos dez anos produzimos mais plástico do que durante todo o século passado.

- 50% do plástico que usamos é utilizado apenas uma vez e deitado fora.

- Todos os anos é deitado fora plástico suficiente para dar a volta ao mundo quatro vezes.

- Atualmente reutilizamos apenas 5% dos plásticos que produzimos.

- A produção do plástico utiliza 8% de produção mundial de petróleo.

- São utilizados cerca de 500 mil milhões de sacos de plástico diariamente em todo o mundo. Mais de um milhão por minuto.

- São necessários entre 500 a 1000 anos para o plástico se degradar por completo.

- Milhões de toneladas de plástico podem ser encontradas na convergência dos diferentes oceanos, o que equivale a 40% da superfície marítima do mundo. 80% da poluição é originada em terra.

- A gigantesca massa de de plástico conhecida como ‘Great Pacific Garbage Patch’ situa-se no Pacífico Norte, ao largo da costa da Califórnia e é duas vezes maior do que o estado do Texas. Há seis pedaços de lixo por cada animal marinho.

- O plástico é o principal causador da poluição no oceano, com 46 mil pedaços de plástico por milha quadrada.

- Morrem todos os anos cerca de 100 mil animais marinhos por causa do plástico nos oceanos.

- Virtualmente todos os pedaços de plástico alguma vez fabricados ainda existem de alguma forma. A excepção é a pequena quantidade que foi incinerado.

- Os químicos do plástico podem ser absorvidos pelo corpo humano. Alguns destes componentes podem alterar as hormonal ter efeitos nefastos para a saúde.


Perfil em destaque

Scroll To Top