banner topf
Com um pouco de sorte ainda veremos Kikas competir no WCT 2019. Com um pouco de sorte ainda veremos Kikas competir no WCT 2019. Foto: Surftotal
segunda, 17 dezembro 2018 16:55

O futuro de Kikas? 

Depois de ter falhado a qualificação, o que se segue… 

 

Depois de ter feito um 14.º lugar na temporada de estreia do World Championship Tour da WSL, em 2017, garantindo confortavelmente a qualificação para a temporada 2018 e batendo-se ainda pelo título de Rookie do Ano até à última etapa (que acabou por perder para o australiano Connor O’Leary por apenas 50 pontos), Frederico Morais soube ontem que deixou de fazer parte da elite mundial ao perder na segunda fase do Billabong Pipe Masters

 

Ao ser afastado na ronda 2 o português terminou a prova em 25.º lugar e não melhorou a sua situação no ranking - está afastado do CT2019. Morais já tinha sido ultrapassado pelo brasileiro Yago Dora quando este avançou diretamente do Round 1 para o 3, e mais tarde pelo gaulês Joan Duru, que passou o desafio da segunda fase (frente a Tomas Hermes) e já se encontra no Round 4. 

 

Mesmo que Duru e Dora percam no quarto round, terminando em 9.º lugar na geral (= 3700 pontos), estão à frente de Frederico e remetem-no mesmo para a posição 23 da tabela, um lugar a seguir “ao corte” do Top 22 que é o que transita automaticamente para a época 2019. 

 

Neste momento a situação é a seguinte: 

 

21.º Yago Dora com 21680 pontos - qualificado ao WCT 2019

22.º Joan Duru com 20210 pontos - qualificado ao WCT 2019

23.º Frederico Morais com 19645 pontos - remetido para WQS 2019

 

Há que ter em atenção que o brasileiro Jessé Mendes, ainda em prova e na posição 29 do ranking mundial, pode passar o português nas contas, mas para isso tem um requisito alto: vencer o campeonato em Pipe. No entanto, embora tal não seja impossível, não deixa de ser um cenário pouco provável. 

 

O 23.º lugar de Morais não deixa de ser importante, mesmo sabendo que remete o português para a Qualifying Series (WQS). É que Frederico Morais passa a ser o primeiro da lista de alternates da World Surf League. Isto significa que pode ser chamado a qualquer momento para competir novamente no World Tour (em paralelo, claro, com a sua participação no WQS). 

 

Os substitutos entram na vez de surfistas que não podem competir, seja por motivos pessoais, doença ou lesões que os impeçam de participar nas competições. Esta temporada, por exemplo, Miguel Pupo, Wiggolly Dantas e Michael February foram os alternates de serviço. 

 

Por definir está ainda a situação dos injury wildcards para o próximo ano que, conforme a Surftotal já explorou há dias, está a ser disputada entre John Florence, Kelly Slater e Caio Ibelli quando só há duas vagas por atribuir. 

 

Do desfecho desta situação, que deverá ser comunicada pela WSL logo após o Pipe Masters (dizemos nós!), ficaremos também a saber se será Kikas efetivamente o primeiro surfista substituto para o CT 2019 ou se será um dos três nomes citados em cima. 

 

--

Atualização 19 de dezembro

A WSL divulgou a lista dos injury wildcards e Frederico Morais passou a segundo alternate da lista de substitutos. Lê mais aqui

Perfil em destaque

Scroll To Top