quinta-feira, 09 outubro 2014 16:57

JORDY SMITH COM A NOTA MAIS ALTA E JEREMY FLORES MAIS FOCADO QUE NUNCA

Jordy foi o destaque do dia, mas as nossas atenções também foram para Jeremy que está na corda bamba

 

Com ondas de um metro e meio, pouco mais, o terceiro dia do evento prime Cascais Billabong Pro, a decorrer na praia do Guincho, começou na terceira ronda, onde não há eliminações.

Depois de Wiggolly Dantas mandar José Ferreira e Adriano de Souza para as repescagens, o destino quis que fosse Adam Melling a fazer o mesmo aos brasilerios Italo Ferreira e Marco Fernandez.

Italo esteve sempre a dominar a bateria e tudo indicava que iria apurar-se diretamente para a quinta fase do campeonato, não fosse uma manobra que que lhe correu mal, acabando por cair, magoando-se na mão. O surfista do Rio Grande do Norte viu-se obrigado a sair de dentro de água, enquanto os seus adversários continuaram. Mesmo assim, apenas a poucos minutos do fim é que Adam Melling conseguiu virar o heat, posicionando-se em primeiro lugar, com uma pontuação máxima de 13.67, contra os 12.84 do atleta de 20 anos.

Com 15.26 pontos no total, Jadson André, campeão em título desta prova, também conseguiu escapar às repescagens, deixando a disputa para Brett Simpson e Jonathan González.

Jordy Smith, por seu turno, mostrou estar com tudo. O surfista que corre o circuito mundial de surf somou 18.07 pontos no total, em 20 possíveis, sendo assim o atleta com a pontuação mais alta até ao momento.

Após um ano de altos e baixos, Jeremy Flores sabe que tem trabalho a fazer. “É definitivamente o meu pior ano no que toca a resultados. Não tenho passado muitos heats… tenho perdido muito e na vida pessoal também. Mas os campeonatos de surf não são tudo… sinto que o meu surf tem melhorado bastante e espero que os resultados comecem a mudar e volte a passar baterias”, reconheceu à Surftotal o atleta francês, que já está na quinta fase da prova. “Todos os surfistas do meu heat são bons por isso, estou feliz por ter passado.”

Confrontado com o que disse sobre já ter pensado em desistir do surf profissional, Flores responde de pronto. “Não, nem pensar. Às vezes sinto-me um bocado cansado, mas definitivamente não quero desistir… é a minha vida, o meu trabalho. Surfar é o que mais adoro e antes de ser surfista profissional já surfava porque simplesmente adoro, por isso nunca vou parar.”

Em 33º lugar no ranking, Flores precisa mesmo de bons resultados nas próximas provas para não ficar fora do circuito principal. Caso não consiga, o plano já está montado. “Se não conseguir requalificar-me para o ano, tudo bem. Começo outra vez do zero, faço o WQS [circuito mundial de qualificação] e volto a desfrutar novamente.” Moral em cima é o que se quer. Força.

Em seguida foi a vez de Freddy Patacchia, Nat Young e Vicent Duvignac juntarem-se à lista de apurados. Amanhã a chamada está prevista para as 7h30, na praia do Guincho.

 

Por Beatriz Silva

Perfil em destaque

Scroll To Top