Itens relacionados

quinta, 19 dezembro 2019 20:50

MEDINA PÕE PÚBLICO EM CHOQUE APÓS ASSISTIR À, PROVAVELMENTE, MAIOR TÁCTICA COMPETITIVA NA HISTÓRIA DO SURF 

Na Ronda de 16 em Pipeline...

O heat 4 da Ronda de 16 do Billabong Pipe Masters, que contou com a presença do rei do surf Kelly Slater, foi um déjà vu dos anteriores heats desta ronda do evento onde a entrada lenta de sets de qualidade realçou a pouca ação que decorreu dentro de água.

Kelly Slater (EUA) e o rookie do ano, Seth Moniz (HAW), que tem uma vasta experiência na onda, apresentaram dificuldades para encontrar tubos que permitissem a saída, mas Kelly conseguiu encontrar uma onda média, pontuada com um 5.83 em 10 pontos possíveis, que lhe permitiu liderar o heat do início ao fim.

Com esta vitória Kelly Slater mantém a luta acesa com o havaiano John John pela vaga olímpica americana.

 

GABRIEL MEDINA WSL/HEFF

Já o Heat 5 foi um dos mais esperados pelo público, uma vez que Gabriel Medina lutava por se manter na corrida pelo título mundial ao competir com o seu conterrâneo Caio Ibelli (BRA).

Depois do polémico heat vivido em Setembro passado na Praia dos Super Tubos, em Portugal, entre os dois surfista, a expectativa instalava-se em Pipeline.

Um heat muito parado, com poucas oportunidades para ambos os surfistas conseguirem colocar pontuações altas no marcador, criou ansiedade e pressão para os atletas e fans.

A três minutos do final do heat, Gabriel Medina mantinha a liderança com pontuações baixas, mas renasceu ao utilizar a sua prioridade numa onda para a direita fazendo a nota mais alta do heat, um 4.23.

Já a 60 segundo do fim, Caio Ibelli, que tinha a prioridade, remou numa esquerda, mas para grande choque dos espectadores Gabriel Medina remou para a mesma onda, impedindo Caio de a surfar ao causar uma interferência.

O passo de Gabriel Medina deixou quem assistia sem palavras, mas o bi-campeão mundial brasileiro acabou por demonstrar que é um dos melhores competidor de surf que já pisou a terra até hoje ao fazer aquela que foi, provavelmente, a melhor táctica competitiva já assistida no Tour, uma vez que Medina sabia que ao fazer a interferência impedia Caio Ibelli de pontuar mantendo assim a sua vitória.

Assistir ao heat foi um verdadeiro momento de adrenalina ao presenciar este que foi um dos melhores momentos de competição na história do circuito mundial de surf..

Depois da experiência vivida em Peniche, Gabriel Medina parece não ter fraquezas no seu jogo competitivo, tornando-se provavelmente numa máquina fria e difícil de bater.


Perfil em destaque

Scroll To Top