banner topf
O último Volcom Pipe Pro contou com ondas épicas. O último Volcom Pipe Pro contou com ondas épicas. Foto: Matt Mario Photography

Itens relacionados

terça, 06 fevereiro 2018 09:40

Perna havaiana da WSL em risco

Novo ciclo da WSL está a criar celeuma com entidades locais... 

 

A perna havaiana da World Surf League (WSL), i.e. Hawaiian Pro (QS10,000 - Haleiwa), Vans World Cup of Surfing (QS10,000 - Sunset Beach) e Billabong Pipe Pro (CT - Pipeline); poderá não ter lugar este ano devido a um conflito entre a Câmara de Honolulu e a própria WSL. 

 

A notícia está a ser adiantada pela Stab e refere que a causa reside no não cumprimento do prazo para a obtenção de licenças para a realização de provas de surf. Aparentemente, nos últimos anos a WSL não tem cumprido o prazo de entrega dos processos relativamente aos seus eventos e tenta agora tomar o lugar de outros eventos/organizadores. 

 

Uma das mudanças que a WSL está a tentar levar a cabo é precisamente o facto de mudar, já em 2019, a prova de Pipe para o início do ano. Presentemente é a última etapa, mas a WSL quer que passe a ser a etapa de abertura do Tour. É o novo ciclo da WSL a ter lugar. 

 

Um dos motivos desta mudança tem a ver com a qualidade das ondas. É que em dezembro a temporada das ondas no North Shore mal começou e os fundos raramente estão de feição. No entanto, como se pôde ver neste último Volcom Pipe Pro, no final de janeiro e início de fevereiro, apesar de já se estar próximo do final do inverno havaiano, a qualidade dos fundos é superior e garante melhores ondas, logo um evento mais atrativo.

 

Esta mudança é um verdadeiro problema, uma autêntica dor de cabeça, pois veríamos dois Pipe Masters ter lugar consecutivamente (um em dezembro para terminar 2018 e outro em fevereiro para iniciar a temporada 2019) e o Volcom Pipe Pro (QS3,000) desaparecer neste processo. Porém, a WSL refere que essa é mesmo uma questão administrativa e que nem estão a ser pedidos mais dias.

 

Entretanto, a Câmara de Honolulu já referiu que a mudança que a WSL pretende operar não é justa para quem organiza eventos. Por seu turno, a WSL pretende que a sua proposta seja aceite sem hesitação, devido ao forte impacto económico que as provas trazem para as ilhas, e ameaça mesmo que, caso as alterações não sejam aceites, deixará de organizar provas no Havai nos próximos três anos. 

 

Vários atletas já comentaram a importância destes campeonatos para o Surf nas ilhas, a sua evolução e o que fazem pelos surfistas locais, parecendo concordar com as mudanças. No entanto, a posição da Câmara de Honolulu é simples: justiça. E, além do mais, o clima de intimidação que a WSL está a proporcionar não está a funcionar de forma positiva… mas a verdade é que cada um joga com as armas que tem! 

 

Um tema para acompanharmos e que terá desenvolvimento, muito seguramente, nos próximos dias. Uma coisa é certa… é difícil imaginar o North Shore sem um campeonato de surf!

 

aqui as mudanças que estão na calha para o World Tour. 

 

 

Perfil em destaque

Scroll To Top