Redley: os cobiçados ténis dos anos 90 estão de volta ao solo português

Nos anos 80 e 90 era a febre!

 

 

Press Release Redley Europa:

 

 

"Nos anos 80 e 90 era a febre! Quem é que não se lembra ou não teve uns Redley nos anos 80 e 90? Os ténis que faziam a cabeça dos adolescentes naquela época voltaram para ficar. 

Os produtos são totalmente criados e fabricados no Brasil, nas fábricas próprias da Redley. A Redley decidiu que seria 100% brasileira, desde a marca à fabricação dos seus produtos, valorizando assim a indústria brasileira, unindo o fabrico ético, justo e responsável, distanciando-se assim da produção massiva praticada por outras marcas em outras paragens do globo.

A Redley oferece modelos clássicos criados para todos os momentos, são intemporais e atravessam décadas conquistando gerações. Hoje em dia os Redey apresentam melhor qualidade, garante o distribuidor local. A gama de produtos é variada, combinando algodão com sola da reconhecida borracha brasileira e nova tecnologia de fabrico.

Estilo contemporâneo e conforto são as palavras chave para o design da Redley, que apresenta coleções diferentes a cada estação. Para o próximo o verão de 2023, iremos encontrar novidades nos nos Originals - como o nome indica, é a linha clássica e que em 1983 deu origem a todas as outras. 

Queremos estar presentes na vida quotidiana de quem deseja unir qualidade, conforto e estilo. Sabemos o quanto a Redley - sempre foi e é - uma marca querida para os portugueses.” - diz Carlos, distribuidor da marca em Portugal. 

 

São quase quatro décadas em que gerações, gêneros e tribos sentem no pé e na pele toda a energia de uma alma solar. Criamos momentos históricos e hoje expandimos nosso horizonte para fortalecer um legado.

Apoiamos alguns surfistas, skatistas, músicos, artistas plásticos, pessoas ou iniciativas em que exista uma partilha de valores e uma vontade genuína de fazer a diferença pela positiva na nossa sociedade. A alma solar está nas histórias de cada uma destas pessoas e iniciativas que aproveitam e amplificam o melhor da vida de quem corre atrás do que gosta e inspira os outros.” - reforça Carlos, único distribuidor exclusivo da Redley.

Mas a Redley não para por aí. A marca é ambientalmente responsável e desenvolveu uma parceria com um fundo de reflorestação no Brasil. E assim, por cada par de ténis vendido nos pontos de venda parceiros e online e, são plantadas 1 e 3 árvores, respetivamente, na Amazónia ou no Cerrado. O projeto também desenvolve a recuperação dos manguezais dos rios brasileiros. Ao nível da sustentabilidade, a Redley está a preparar várias iniciativas e novidades que irão ser comunicadas durante próximo ano, como parte do seu programa de restauração e consciencialização ecológica. 

Queremos ir além de vender ténis. As empresas e marcas tem que ir mais além e,  contribuir para a redução da pegada de carbono, assim como desempenhar um papel fundamental na consciencialização da sociedade para esta problemática, sendo absolutamente fundamentais neste processo de evolução global” - afirma Carlos, que já prepara ações e iniciativas futuras com foco neste tema, acreditando que a experiência do consumidor só é completa se a marca estiver alinhada com propósitos transformadores. 

Atualmente, pode encontrar os Redley à venda no site da marca (para Portugal e restantes paíse europeus – www.redleyeurope.com), mas também em lojas na região de Lisboa, Carcavelos, Estoril, Cascais, Ericieira, Leiria, Castelo Branco,Porto, Braga, Vila do Conde, e litoral alentejano. 

 

 

 

SOBRE A REDLEY

 

ANDAMOS DE REDLEY DESDE 1983

 

“Criamos a Redley em 1983 num mundo completamente diferente do de hoje. Em 1985 abrimos a primeira loja no Rio de Janeiro. Nascemos de um tênis que se tornou o sonho de muita gente. No entanto, a minha personalidade idealista nunca me permitiu estagnar. É preciso reconhecer e comemorar o sucesso, claro, mas prefiro acreditar que uma nova versão é sempre muito bem-vinda. E é esta a maneira de me sentir mais jovem: olhando pra frente e não pra trás. Gosto de estar envolvido nos projetos, de ter ideias novas, de ver o conjunto das coisas e enxergar o caminho estratégico dos projetos. Me divirto fazendo isso, e desenvolver produtos sempre foi a minha maior paixão. A Redley foi feita pelas inúmeras pessoas que passaram por aqui e construíram essa história. Sejam colaboradores, parceiros, atletas, fornecedores ou apoiados. Esse é um trabalho “nosso”. Porém, se pudesse apontar uma pessoa que fez a Redley durar esse tempo todo, citaria meu filho Tommy. Ele teve a persistência e a força em manter essa marca ativa e acesa. Eu comecei, fiz uns produtos, desenvolvi de alguma forma os processos, mas continuei minha trajetória de desenvolvedor. Quem esteve firme nos melhores e piores momentos foi ele. Escrevo com orgulho e humildade. Sou muito grato ao meu filho, que junto a um grande time reinventa a Redley de forma incansável e segue olhando pra frente. Porque, na verdade, completar 39 anos é legal, mas o momento presente e o futuro é que são divertidos.”

Peter Simon, fundador da Redley

A Redley sempre esteve presente na rotina da juventude, deixando a correria do dia a dia mais leve. Seja colocando o tênis pra encarar o asfalto ou descalçando pra sentir a areia da praia, nós estamos ali: nos pés da malta. 

 

São quase quatro décadas em que gerações, gêneros e tribos sentem no pé e na pele toda a energia de uma alma solar. Criamos momentos históricos e hoje expandimos nosso horizonte para fortalecer um legado. 

 

Calçamos nossos pés para caminhar em direção ao novo. Só tem uma coisa que não muda: a nossa leveza. 

 

Levamo-la para onde for e seguimos certos de que uma verdadeira alma solar nunca para. Segue sempre em movimento.

 

 

UM POUCO DE HISTÓRIA

A Redley nasceu no Rio de Janeiro nos anos 80, numa época efervescente da cultura brasileira. Entretanto, num mundo pouco globalizado, eram poucos os produtos importados que lá chegavam e eram poucas as marcas brasileiras que enviavam seus estilistas para fazer pesquisas fora do país.

Peter Simon era um dos raros empresários que mantinha seu radar internacional ligado e, foi numa destas viagens que ele trouxe inspiração para desenvolver uns ténis que seriam o sucesso daquela altura. Assim nasceram, em 1983, os Redley Originals, made in Brazil, sendo inicialmente vendidos nas lojas do Cantão, a marca pertencente à holding que controla a Redley, e que faz parte do grupo até os dias de hoje. A Redley nasceu depois, quando Peter quis construir uma marca de roupas masculinas, carismática, com um estilo norte-americano. Inclusive, o nome REDLEY surgiu quando Peter fez uma viagem com os filhos pela Califórnia. A intenção era batizar a marca usando uma palavra com sonoridade do inglês, mas que fosse fácil pronunciar. Ao passar por uma cidade pequenina chamada Reedley, Peter concluiu que se tirasse um ´e´, seria mais fácil pronunciar em português. E assim nasceu a marca Redley.

 

Em pouco tempo, o ténis se tornou uma febre. Era um produto inédito, não só em termos de formato e look, mas que também tinha uma gama enorme de cores. A primeira loja da Redley - réplica de uma cabana da Califórnia - surgiu em 1985, época em que o surfwear ganhava muita força no Rio de Janeiro. E assim, desde esta altura, a marca tem o seu ADN no surf e boadyboadr. E assim, a Redley foi conquistando um espaço no coração dos cariocas que estava vazio. 

 

 

 

Vitrine do lifestyle de praia no Brasil, o Rio de Janeiro viveu um boom do surf nos anos 80 e 90. A imagem do desporto começava a melhorar, associada à saúde e qualidade de vida. E assim a Redley formou um time de atletas, que eram patrocinados e acompanhados pela marca, conferindo muita credibilidade e visibilidade. A marca passou a ser vista como aquela que dita tendências, sempre a lançar produtos diferenciados. Foram muitos eventos de desportos realizados, sempre a falar a linguagem da juventude, e a funcionar como uma vitrine para diversos produtos, principalmente os mais icónicos, como os Redley fins (pés-de-pato), os chinelos Kenner, o Nauru, os boardshorts, as T-shirts e as mochilas. 

Pelo surf, passaram nomes como Carlos Burle, Andréa Lopes, Guilherme Gross, Dadá Figueiredo, Victor Ribas e Daniel Rangel. Por cá em terras lusas passaram como Bruno Charneca “Bubas”, Marcos Anastácio, Paulo do Bairro, Zé Seabra, André Pedroso, José Gregório, Nuno Telmo, Aécio Flávio, Pedro Barbudo, Pedro Soares, Pedro Flores, Diogo Bettencourt, Marcelino Barros “Bizuka” e o surfista havaiano Shane Dorian. Todos eles foram protagonistas de muito conteúdo desenvolvidos pela marca, que foi uma das marcas pioneiras na criação deste tipo de conteúdo, ao realizar surf trips em vários lugares do mundo.

Já nos anos 90, a Redley era uma marca embaixadora do estilo de vida carioca e o skate estava no universo da Redley. Apoiou atletas brasileiros importantes, além do norte-americano Christian Hosoi, um dos maiores nomes do cenário internacional do skate, o qual lançou a famosa bota Hosoi. Em meados da década, a Redley já estava presente em diversos outros estados brasileiros, no Nordeste, Brasília e no sul.

A cultura para nós é parte da formação do Homem de hoje e do futuro. A música e a expressão artítica são forma de contar histórias e passar mensagens. 

“A Redley sempre me chamou a atenção por trazer novidades na música, no esporte e na arte constantemente”, diz Rafael Uzai, artista (e surfista). “A marca tem a inquietude que todo mundo deveria ter na vida, de estar eternamente buscando oxigênio, novas alternativas e evoluções dentro daquilo que faz, sem perder a essência.”

“Entendemos que devemos manter a leveza da nossa alma solar e o alto-astral, mas atualizando a marca para valores mais contemporâneos”, conta Bernardo Cabral, coordenador de branding.    

Ao mesmo tempo em que valorizamos a expressão artística, a Redley acelera o seu redirecionamento rumo à diversidade, às causas sociais e mais conectada com os desafios e questões do dia a dia, adotando assim uma linguagem mais representativa. 

Em seu processo de autoanálise, a Redley também se assume como uma marca essencialmente calçadista. “Entendemos a joia que era esse tênis, um verdadeiro case, e decidimos direcionar todas as nossas forças para sermos uma empresa calçadista, aproveitando o que temos de melhor”, diz Mariana Egert, gerente de marketing da holding. “É muito difícil encontrar uma marca atemporal, que mantenha o mesmo produto no mercado por tanto tempo. E a Redley está há 35 anos nos pés do Brasil!”, completa Fernanda Afonso, coordenadora de estilo, fazendo referência ao produto que representa, em média, 70% do faturamento da empresa. Foi por isso que a Redley decidiu voltar para a Europa apostando primeiramente no produto que foi sucesso por aqui e que já é consagrado no seu mercado de origem.

Orgulhosa de sua história, mas sempre olhando para frente, a Redley segue em movimento, andando a passos firmes na direção da diversidade, tendo a música como seu principal pilar e apostando na sua vocação calçadista para continuar a inovar e a crescer. "

 

CONTACTOS

 

https://redleyeurope.com/

https://www.instagram.com/redleyeurope/

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

 

 

 

Scroll To Top